Organizador GEDAF Nenhum comentário

Fórum Econômico Mundial divulgou o Relatório de Riscos Globais em 2018 abrangendo os sistemas ambiental, econômico, tecnológico e institucional.

Neste tempo de transformação no mundo. sinais encorajadores sugerem que foi superada a pior crise financeira do período após a Segunda Guerra Mundial. Globalmente, as pessoas estão usufruindo dos padrões mais elevados de vida da história dos seres humanos.

E, no entanto, a aceleração e interligação em todos os campos de atividade humana estão levando ao limite as capacidades de absorção de instituições, comunidades e indivíduos. Isso está colocando em risco o futuro desenvolvimento humano.

Além de lidar com muitos problemas singulares locais, a humanidade enfrenta crescentes desafios sistêmicos ao nível global, incluindo rupturas e falhas que afetam os sistemas ambiental, econômico, tecnológico e institucionais nos quais nosso futuro se baseia.


Clique no link abaixo para visualizar o Relatório de Riscos Globais 2018:

WEF_GRR18_Report


A atual geração goza de uma experiência sem precedentes nos meios tecnológico, científico e financeiro, recursos que devemos usar para traçar um curso em direção a um futuro sustentável, equitativo e inclusivo. E, no entanto, esta é, talvez, a primeira geração a levar o mundo à beira de uma avaria severa dos sistemas.

Há muitos sinais de progresso e muitas razões para a esperança – mas ainda falta impulso e profundidade de colaboração para entregar mudanças na escala necessária. Ao estabelecer uma plataforma global para colaboração público-privado, o Fórum Econômico Mundial procura avançar nesse objetivo, trabalhando com governos, empresas e organizações da sociedade civil para encontrar novas formas de abordar os riscos sistêmicos que afetam a todos.

Nós temos que trabalhar juntos – essa é a chave para prevenir crises e fazer o mundo mais resiliente para a atual e as futuras gerações. A humanidade não pode lidar com sucesso em relação à multiplicidade de desafios que enfrentamos sequencialmente ou isoladamente.

Assim como os riscos globais são cada vez mais complexos, sistêmicos e em cascata, então nossas respostas devem ser cada vez mais interligadas para os numerosos sistemas globais que compõem nosso mundo. O diálogo entre as partes interessadas continua a ser a pedra angular das estratégias que nos permitirá construir um mundo melhor.

Nossa esperança é que esta edição do Relatório de Riscos Globais e os debates promovidos na Reunião Anual 2018 do Fórum Econômico Mundial se concentre na necessidade de sistemas, pensando e novas formas de colaboração globais e envolvendo todas as partes interessadas.

O relatório deste ano lida com alguns dos desafios mais prementes que enfrentamos, incluindo a biodiversidade, perdas, ameaças à segurança cibernética, aumento de tensões geopolíticas e risco de outra crise financeira em erupção. Uma nova seção “Choques Futuros” destaca a importância de estarmos preparados não apenas aos riscos familiares lentos, mas interrupções dramáticas que podem causar deterioração rápida e irreversível nos sistemas em que confiamos.

O Relatório de Riscos Globais ocupa a posição única no Fórum Econômico Mundial, no coração de nosso aprofundamento de parcerias com governos do mundo e organizações internacionais. Ele aborda temáticas sobre a indústria e equipes regionais que moldam nossa abordagem baseada em sistemas para os desafios enfrentados pelo mundo. Essa abordagem permite que se aproveite toda a extensão da experiência interna do Fórum e também das redes de especialistas globais para análise da evolução dos riscos globais.

De forma semelhante aos anos anteriores, o relatório deste ano também se baseia no Levantamento Global de Percepções de Riscos, consolidado por cerca de 1.000 membros de comunidades multisetoriais.

Estando entre os principais documentos do Fórum, o Relatório de Riscos Globais é resultado do esforço coordenado dos representantes que contribuíram para a edição deste ano.

Agradecimentos especiais ao Comitê Consultivo, aos parceiros estratégicos de longa data, Marsh & McLennan Companies e Zurich Insurance Group, bem como nossos assessores acadêmicos na Universidade Nacional de Singapura, Oxford Martin School da Universidade de Oxford, e a Wharton Risk Management, e o Centro de Processos de Decisão na Universidade da Pensilvânia.

Klaus Schwab
Fundador e Presidente do Conselho de Administração
World Economic Forum

Børge Brende
Presidente
World Economic Forum

Fonte: Fórum Econômico Mundial, 2018

Deixe um comentário