A Sutil Arte de Ligar o Foda-se, Mark Manson
Organizador GEDAF Nenhum comentário

Mark Manson, brilhante autor norte-americano, escreveu um livro bastante polêmico, a começar pelo título: “A Sutil Arte de Ligar o Foda-se”. A obra é relacionada aos temas de autorrealização e motivação, publicada em 2017 pela editora Intrínseca. O livro foi analisado pelo Editorial GEDAF, sendo destacados alguns pontos relevantes nesta resenha.

“Um homem confiante não precisa provar que é confiante. Uma mulher rica não tem necessidade de convencer ninguém de que é rica. Ou você é ou não é.”

Mark Manson

Mark Manson vai exatamente na corrente oposta e dominante dos autores de autoajuda que defendem as crenças do Pensar Positivo, do cada um de nós ser especial, e da busca da felicidade utópica. Ele mostra uma visão realista dos desafios da vida, derrubando por terra essas crenças repetidas à exaustão em best-sellers, filmes e seminários por todo o mundo.

Mark revela que a geração atual está intoxicada com a “cultura do consumo e do exibicionismo de vidas incríveis nas redes sociais”. Ele denomina Círculo Vicioso Infernal a retroalimentação do sentimento de culpa pelo fracasso, epidemia na qual as pessoas se tornam cada vez mais estressadas, neuróticas e odiando a si mesmas.

O livro de Mark está repleto de exemplos bem-humorados, oriundos do cotidiano, que mostram como expectativas irrealistas contaminam as pessoas. “Gente absurdamente feliz com um vida maravilhosa da p***a”. É preciso alertar que o livro é escrito em linguagem simples e há palavrões pesados, mas oferece uma abordagem bastante realista da sociedade.

No início do livro, ele apresenta a história de vida do escritor de poesias Bukowski, um alcoólatra que tinha um emprego mal remunerado nos Correios dos EUA, e considerado fracassado. Bukowski tornou-se um sucesso de vendas ao aproveitar a oportunidade que um editor desconhecido lhe ofereceu. Ao contrário de muitos que se tornam estrelas, Bukowski nunca buscou o sucesso, não ostentava “ser quem não era”, e manteve seus maus hábitos mesmo quando bem-sucedido. Ele falava abertamente sobre seus fracassos, sem hesitação diante do público.

No fogo cruzado da guerra de aparências e vaidades, as pessoas são levadas a se culpar por estarem mal, e ficam cada vez mais frustradas diante do sentimento de culpa. Por essa razão, Mark demonstra a importância de “ligar o foda-se” para romper o Círculo Virtuoso Infernal, provocando o curto-circuito do modelo mental predominante dos nossos tempos.

Mark enaltece a “capacidade de encarar o o fracasso de peito aberto”, enfrentando os problemas, as derrotas, o risco de assumir papel de bobo ou de se dar mal algumas vezes. É preciso seguir em frente, mesmo diante do perigo, ligando o foda-se. Esse raciocínio é válido apenas para as causas relevantes de verdade, devendo ser ignoradas as coisas frívolas ou superficiais. Dessa forma, vamos parar de dar importância a tudo que nos desagrada, escolhendo o que realmente importa na vida.

O autor apresenta a “lei do esforço invertido”, do filósofo Alan Watts, na qual a busca por alguma coisa só reforça o fato de que não a temos: “Desejar sentimentos positivos é um sentimento negativo; aceitar os sentimentos negativos é um sentimento positivo.” Ele acredita que o desconforto e as situações incômodas geram maior confiança e respeito. Enfrentar medos e ansiedades fortalecem a coragem e perseverança.

O livro de Mark merece ser lido para ajudar a pensar naquilo que elegemos como importante na vida, tratar a cegueira psicológica que faz as pessoas não enxergarem que é normal as coisas darem errado de vez em quando. É uma fonte de inspiração especialmente para os mais jovens que estão intoxicados com as falsidades publicadas nas redes sociais, evitando que se tornem adultos imaturos ou frustrados.

O ensinamento transmitido pelo autor exalta o ser humano a ser verdadeiro consigo próprio, reconhecer seus defeitos e virtudes, para se tornar mais realizado, aprendendo a lidar com o fracasso e seguir confiante. É um livro para quem não tem medo de cometer erros na vida na procura daquilo que realmente importa.

  • Editora: Intrínseca
  • Edição: 1ª (10 de novembro de 2017)
  • Paginação: 224 páginas
  • Idioma: Português
  • ISBN-13: 978-8551002490
  • Dimensões: 20,8 x 13,8 x 1,4 cm
  • Peso: 295 g
  • Valor: R$ 23,00 a R$ 29,00

Recomendação do GEDAF

Notas na escala 1 a 5, significado: (1) insuficiente; (2) regular; (3) sem destaque; (4) bom; (5) excelente.

  • Facilidade de leitura: 5
  • Clareza das ideias: 4
  • Contexto da obra: 5
  • Letra e espaçamento do texto: 5
  • Valor (R$) acessível: 4
  • Número de páginas: 5

Média: 4,7 (altamente recomendado)

Ponto negativo: a superfície da capa é em material áspero, sem proteção por película, facilitando a impregnação do suor dos dedos, respingo de líquidos e sujeiras.

Importante: O GEDAF faz uma avaliação qualificada do livro, de forma isenta e independente, para editoras que publicam obras relacionadas aos negócios, finanças e desenvolvimento pessoal. Para mais informações, entrar em contato através do canal Fale Conosco no site.

Fique Bem Informado(a)

Interessados em receber as recomendações do GEDAF podem cadastrar no grupo ou na área restrita do site.

Direitos Autorais

Resenha elaborada e publicada pelo GEDAF em 1/09/2018, sendo permitida sua divulgação em outros sites ou blogs, desde que mantido o inteiro teor e citação a fonte de referência.

Editorial GEDAF, 15/09/2018.

 

Deixe um comentário